Todo o trabalho partilhado neste blogue pode ser visionado, consultado e utilizado, mas, por favor, não apague os créditos de um trabalho que é meu. E não plagie. O plágio é uma prática muito feia. Se entender contactar-me o meu e-mail é anabelapmatias@gmail.com
Agradeço aos autores dos vídeos a sua partilha, generosa, no Youtube. Sem esta partilha, as minhas postagens ficariam mais pobres.

domingo, 27 de maio de 2012

29ª Aula - O desenvolvimento económico nos séculos XII e XIII e o fortalecimento do poder real

29ª Aula - O desenvolvimento económico nos séculos XII e XIII e o fortalecimento do poder real

Sumário: O desenvolvimento económico nos séculos XII e XIII e o fortalecimento do poder real.

A partir do século XI acabaram as invasões no continente europeu e a insegurança e a violência recuaram. Também se verificou neste período uma melhoria climática generalizada, com consequências positivas no aumento das produções agrícolas em quantidade e qualidade, a população europeia aumentou quase para o dobro, de 42 para 73 milhões de habitantes e Portugal não escapou a esta tendência pois passámos de 400 mil para cerca de 1 milhão de habitantes.
Foi então necessário arrotear novas terras e prepará-las para o cultivo e um pouco por toda a Europa desbravaram-se florestas e matas, drenaram-se pântanos, estendendo a terra produtiva para fazer face ao aumento populacional. O aumento da produção agrícola ficou também a dever-se a um cada vez mais generalizado uso de ferro nas alfaias agrícolas o que torna o trabalho da terra mais eficaz, à substituição progressiva do afolhamento bienal pelo afolhamento trienal o que aumenta a quantidade de terra cultivada, ao aumento das cabeças de gado e, consequentemente ao aumento da quantidade de estrumes disponíveis, ao uso da ferradura, do jugo nos bois e da coelheira nos cavalos o que faz com que o trabalho animal seja mais rentável, seja ele traduzido em trabalho de auxílio ao camponês na agricultura, seja ele nos transportes de mercadorias excedentárias que é necessário transportar para comercializar.
O comércio reanima-se um pouco por todo o lado e faz-se por terra, voltam a construir-se estradas e pontes, mas, essencialmente, faz-se usando as vias fluviais, rios, e marítimas por ser mais económico e seguro. Surge a vela latina, o leme à popa, os árabes introduzem a bússola, o astrolábio, surgem as cartas-portulanos que não são mais do que os mapas da época com informações preciosas para os navegadores. Fazem-se obras de melhoramento dos portos, nos molhes e nos cais.
As cidades desenvolvem-se, surgem burgos novos, ou seja cidades novas, os antigos núcleos medievais extravasam para o exterior das muralhas. Surgem os burgueses, gente do povo muito dinâmica que vais enriquecer devido ao comércio. Graças a esta reanimação do comércio devido ao aumento de produções e ao surgimento de excedentes, surgem os mercados e as feiras. As feiras eram instituídas pelos monarcas através das chamadas Cartas de Feira onde estavam estipuladas as condições ou regras de funcionamento da referida feira criada.
A economia voltou a ser monetária pois a moeda voltou a circular, surgiram os embriões dos bancos atuais e as letras de câmbio.
Os domínios senhoriais em Portugal, coutos se pertenciam ao clero, honras se pertenciam à nobrezacoexistiram com os concelhos. Os concelhos eram instituídos pelo rei através de uma Carta de Foral que regulava a vida dos seus habitantes e cujas regras procuravam atrair populações para zonas mais perigosas e despovoadas que era necessário, efetivamente, povoar. Tinham autonomia administrativa, eram administrados por Homens-Bons, ricos mercadores e proprietários rurais. Os concelhos escapavam à lógica do senhorio ou domínio senhorial onde o povo vivia esmagado pelo pagamento de impostos e trabalho.

D. Afonso Henriques morreu em 1185 e sucedeu-lhe o seu filho D. Sancho I, de cognome O Povoador, que prosseguiu a política expansionista e povoadora do seu pai. Em 1189 conquistou Silves com a ajuda dos cruzados da 3ª cruzada que se dirigiam para oriente, mas viria a perder posteriormente o domínio da cidade.
Sucedeu-lhe D. Afonso VII, O Gordo, sem vocação militar mas que mesmo assim prossegue a reconquista sendo a sua principal vitória a reconquista de Alcácer do Sal. No seu reinado fazem-se inquirições e confirmações no sentido de fortalecer o poder real. D. Sancho II sucedeu-lhe em 1223 e vai prosseguir a reconquista e o fortalecimento do poder real. Durante o seu reinado e com a ajuda da ordem de Santiago, reconquistou o Alentejo. Sucedeu-lhe o seu irmão, D. Afonso III, O Bolonhês, e é com este rei que a reconquista acaba em território português, com a conquista de Silves e Faro, em 1249.
As inquirições, confirmações e ainda as leis de desarmotização inserem-se numa lógica de fortalecimento do poder real ecom as inquirições o monarca inquire sobre a legitimidade da posse de determinados bens.
As confirmações visam a confirmação dos bens doados os senhores ou às povoações e as Leis de Desamortização visam impedir a concentração de terras na posse do clero.
Até ao século XIII existia um organismo, de aconselhamento do rei em matéria de governação, chamado Cúria Régia onde somente marcavam presença as duas ordens privilegiadas -Clero e Nobreza. Em 1254 reúne a Corte, nas Cortes de Leiria, pela primeira vez com a presença das três ordens - clero, nobreza e povo.

Como sempre podem consultar a apresentação em PowerPoint, sobre esta matéria, na minha página de recursos, com o nome X - O desenvolvimento económico nos séculos XII e XIII.
Esta aula é a última para o teste de avaliação. Não se esqueçam também que a matéria que vem para o teste inclui o Cristianismo.

Afogada em trabalho vário, hoje não terei tempo de pesquisar vídeos no youtube sobre esta aula... mas prometo-vos que farei isso logo que me seja possível.
Votos de excelente trabalho! E bem sabeis, qualquer dúvida que surja... estou por aqui, acessível à distância de um clique.

Sem comentários:

Publicar um comentário