Todo o trabalho partilhado neste blogue pode ser visionado, consultado e utilizado, mas, por favor, não apague os créditos de um trabalho que é meu. E não plagie. O plágio é uma prática muito feia. Se entender contactar-me o meu e-mail é anabelapmatias@gmail.com
Agradeço aos autores dos vídeos a sua partilha, generosa, no Youtube. Sem esta partilha, as minhas postagens ficariam mais pobres.

segunda-feira, 30 de setembro de 2013

2ª, 3ª e 4ª Aula - A 1ª Guerra Mundial

2ª, 3ª e 4ª Aula - A 1ª Guerra Mundial

Sumário: Antecedentes da 1ª guerra mundial: rivalidades entre estados europeus e a formação de alianças. O deflagrar e as várias fases da guerra. O armistício. Consequências da guerra.

No final do século XIXinício do século XX existiam perigosas rivalidades entre várias potências europeias:
  • de ordem económica - concorrência entre estados, por exemplo entre uma Alemanha cada vez mais industrializada que rivalizava com a Inglaterra, rivalidades que se estendiam às colónias com a necessidade de abastecimento de matérias-primas, mão-de-obra barata, mercados para colocação de produtos e locais de investimento de capitais);
  • de ordem política - com a existência de nacionalismos exacerbadosdisputas territoriais, por exemplo a França quer recuperar a Alsácia e a Lorena ocupadas pela Alemanha; a Rússia, o império austro-húngaro e o império otomano querem impor a sua influência nos Balcãs; croatas, bósnios e eslovenos querem a independência política do Império Austro-Húngaro; a sérvia, estado independente, pretendia fazer uma grande nação eslava; a Polónia, partilhada entre a Alemanha, Rússia e Império Austro-Húngaro desejava a independência e unificação; a Finlândia, integrada no império russo também desejava a sua independência.
Em 1882 formou-se a Tríplice Aliança que integrava a Alemanha, a Austro-Hungria e a Itália e em 1907 a Tríplice Entente de que faziam parte a Inglaterra, a França e a Rússia. A formação destas duas alianças/blocos provocou uma corrida aos armamentos e, se um dos países de uma destas alianças fosse atacado, os seus aliados deviam-lhe auxílio e apoio militar. A Europa vivia, no início do século XX, uma verdadeira paz armada onde um qualquer acontecimento poderia revelar-se o rastilho para a guerra. Ora esse rastilho vai surgir na região dos Balcãs, autêntico barril de pólvora devido às disputas entre a Rússia, a Austro-Hungria e o Império Otomano, entre outros.
A 1ª Guerra Mundial teve o seu início no Verão de 1914, em consequência do assassinato do herdeiro do Império Austro-Húngaro, o arquiduque Francisco Fernando, no dia 28 de Junho, em Sarajevo, capital da Bósnia, cometido pelo sérvio Gavrilo Princip, membro de uma organização secreta chamada Mão Negra. Exactamente um mês passado sobre este fatídico acontecimento, a 28 de Julho de 1914, a Áustria, depois de ter enviado um ultimato humilhante à Sérvia e que foi rejeitado, enviou uma declaração de guerra à Sérvia. Os acontecimentos precipitaram-se, imparáveis!, sucederam-se as declarações de guerra e, a 4 de Agosto, a Bélgica, país neutral, foi invadida pelas tropas alemãs que pretendiam chegar rapidamente a Paris dando assim cumprimento ao Plano Schlieffen, de 1905, que apostava no ataque e ocupação rápida da França. Mas tropas alemãs foram dderrotadas e barradas pelos exércitos francês e inglês na Batalha do Marne, que ocorreu entre 5 e 12 de Setembro de 1914 e posteriormente os dois exércitos instalaram-se no terreno, começaram a abrir vastíssimas valas na chamada Frente Ocidental e também na Frente Oriental, as trincheiras, de um e de outro lado, pondo assim termo a uma primeira fase rápida da guerra conhecida por Guerra de Movimentos e inaugurando uma fase longa, que duraria até 1918, conhecida pela Guerra das Trincheiras e onde a guerra conheceria uma desumanização nunca antes experimentada.
Uma das épicas batalhas ocorridas durante esta guerra, Verdun, que duraria de 21 de Fevereiro a 18 de Dezembro de 1916, provocou perto de um milhão de mortos de ambos os lados e a ofensiva aliada ocorrida no Somme entre 1 de Julho e 19 de Novembro de 1916 também provocaria milhares e milhares de mortos e feridos de ambos os lados.
Nestas trincheiras, na frente de guerra, os soldados combateram ao frio, à chuva, à neve, mal alimentados vivendo na imundice, partilhando o espaço com os ratos e as ratazanas... corpos servindo de alimento a pragas de piolhos, corpos desfeitos pelas bombas, pelos tiros automáticos das metralhadoras, aniquilados pelo armamento químico utilizado pela primeira vez, pelos alemães, nesta guerra.

Post em construção...

Meus queridos alunos, partilho os vídeos de apoio à aula desta semana e a apresentação em PowerPoint intitulada B - A 1ª Guerra Mundial.

Partilho também uma ligação para um artigo saído no Público a 3/9/2014, intitulado Os 72 navios alemães que levaram à entrada de Portugal na Grande Guerra para quem quiser aprofundar um pouco mais as circunstâncias da entrada de Portugal na Grande Guerra.

Partilho ainda um link, aqui, para uma série de informação sobre a participação de Portugal na Grande Guerra.

E partilho excelentes documentários sobre tão nefasto acontecimento que marcou o fim de uma era.













Sem comentários:

Enviar um comentário